História

Historia

 

Mais de 75 anos de excelência no fornecimento de equipamentos e serviços para a Indústria do Petróleo e do Gás

Os primórdios (1937-1960)

Bolland foi fundada em 1937 por um pioneiro chamado Adrián Bolland, um ex-engenheiro da empresa estatal YPF que decidiu formar sua própria empresa, dedicada à comercialização de equipamento para a incipiente indústria de hidrocarbonetos na Argentina. Nesse tempo, a Bolland começou importando Bombas Mecânicas de fundo e Brocas dos Estados Unidos.

Com o decorrer dos anos, a empresa foi atingindo aos poucos a liderança entre as empresas nacionais dedicadas à prestação de serviços e fabricação de elementos para a atividade petrolífera.

Durante a década de 50, e com a chegada de novos sócios, todos eles jovens engenheiros argentinos, a empresa foi se expandindo para as principais bacias do país, contribuindo permanentemente para a consolidação da indústria nacional.

Naqueles tempos, a atividade principal era a representação de firmas estrangeiras para a comercialização de materiais e máquinas importadas. A empresa já havia incorporado várias representações muito valiosas, tais como Reed, Ideco, Web Wilson, Clark, SIE, Petrolite, Dresser Industries, etc.

No final de 1956, obteve-se um contrato para o fornecimento de dois grupos sismográficos e, em 1957, atinge-se a venda de 30 equipamentos Ideco de perfuração à então empresa estatal YPF. 

Em 1958, a Bolland obtém dois contratos de serviço muito importantes: um deles para a terminação de poços, serviços anexos de perfilagem elétrica e cimentação de tubulações através de sua representada Petro Tech, e outro contrato para a  intervenção de poços em produção junto à firma Quitralcó.

A Expansão (1960 – 1980)

A Empresa começou um forte e contínuo processo de expansão e diversificação dentro da indústria, sendo uma peça chave na busca para tentar atingir o tão ambicionado autoabastecimento energético, o qual aconteceria efemeramente em 1962.

Naquele ano, a Bolland abre sua filial em Comodoro Rivadavia para atender suas operações na bacia do Golfo San Jorge.

Em 1964, inicia suas atividades na região a O.E.A. S.A.(Operaciones Especiales Argentina), empresa do Grupo Bolland, sendo pioneira na prestação de serviços de Inspeção Não Destrutiva de materiais petrolíferos. Por isso, em 1966, associa-se com a empresa Tuboscope, atingindo rapidamente a liderança deste mercado.

Por sua vez, a empresa é pioneira no serviço de lama de perfuração no país, iniciando a atividade em 1968.

Durante os anos 70, a Bolland adiciona à filial em Comodoro Rivadavia filiais nas demais regiões petrolíferas: Neuquén, Mendoza e no norte de Salta (Tartagal), instalando oficinas de serviço e reparação de bombas mecânicas de fundo e instrumentos Martin Decker.

Bolland introduz, em 1979, o serviço de injeção, limpeza e perfuração de poços com espuma estável como fluído de circulação.

Nesse mesmo ano, a Bolland inaugura o serviço de Produtos Químicos em poços produtores na zona de Comodoro Rivadavia.

A Industrialização (1980 – 1995)

Durante a década de 80, incorporou novas linhas de negócios conforme os avanços tecnológicos no campo petrolífero: a venda e reparação de equipamentos de bombeio elétrico submersíveis marca Reda, a venda e reparação de bombas de cavidades progressivas, a fabricação e venda de brocas tricônicas  através de sua controlada TBR S.A. (Trépanos Bolland Reed).

O ano de 1983 é um marco histórico na vida da companhia: inaugura-se a Planta Industrial “Ing. Egon Ostry” em Comodoro Rivadavia, uma planta modelo de usinagem e produtos químicos, cujo nome é uma homenagem a quem presidiu a expansão da empresa na década de 60. Nesse então, contava com 4700 m2 construídos em um terreno de 50.000 m2.

A produção da planta, nesse ano, era de 2400 barris, 24000 fittings e 3000 pistões e um total de 2500 bombas reparadas. A produção da Planta Química era de 3000 tambores.

Embora esta planta atualmente se especialize na produção de bombas mecânicas e produtos químicos para tratamento de petróleo e águas, também foram fabricadas bombas hidráulicas, cabeças de injeção, componentes de grandes compressores (Dresser Rand) e, inclusive, equipamentos de perfuração Ideco e aparelhos individuais de bombeio.

No ano de 1988, a Bolland se tornou a primeira empresa latino-americana em introduzir a técnica de perfuração horizontal de poços, com o suporte técnico de empresas líderes nos Estados Unidos.

Após a construção da planta em Comodoro Rivadavia, acontece a aquisição e operação de Hydrodrill (para a terminação, intervenção e reparação de poços), e um setor off-shore da empresa, logo, oportunizou o nascimento de Geomarine, em 1988.

Formaliza-se com MI Drilling Fluids Co., líder em fluídos de perfuração, um acordo de transferência tecnológica, assistência técnica e distribuição de produtos que nos permite acessar o mais alto nível de qualidade internacional.

Em 1990, a Bolland começou a operar a nova planta de TBR localizada em General Pacheco, província de Buenos Aires, para a fabricação de brocas tricônicas com licença de Reed.

Bolland, durante a década dos 90, chegou a comercializar os quatro tipos de bombas para a extração artificial de petróleo: de bombeio mecânico (com fabricação local), elétrico submersíveis (licença de REDA), PCP (licença de Robbins & Myers), e de bombeio hidráulico (licença de Guiberson).

A Internacionalização (1995 – 2000)

Em 1995, a Bolland incorpora ao mercado a perfuração horizontal em raio de giro curto, conformando, assim, um completo pacote de opções:

  • Perfuração horizontal em raio de giro médio e curto.
  • Perfuração direcional.
  • Sistemas steerables.
  • Aluguel de motores de fundo.
  • Pesquisas giroscópicas de poços tubulares.
  • Steering tools.
  • Engenharia de perfuração em poços direcionais, horizontais e verticais.
  • Engenharia de perfuração e operações de risco (turn key) em poços de exploração verticais, horizontais e verticais de exploração.

Na segunda metade da década, introduziu-se em novas atividades como a construção e operação de plantas de tratamento de água, conseguindo um importante contrato com a Petroleira Argentina San Jorge, na jazida El Trapial.

Em 1997, a Bolland expande suas atividades à mineração e, através da Bolland Minera S.A., oferece o serviço de perfuração de mineração e de exploração de áreas.

Nessa época, inicia-se também um processo de internacionalização:

  • Bolívia: No final de 1997, é criada a Filial Bolívia, dedicada, a princípio, ao negócio de perfuração e logo acrescentaria o serviço de tratamento de petróleos.
  • Venezuela: Também em 1997, surge a Bolland de Venezuela,S.A., firma dedicada à comercialização de bombas de fundo fabricadas na planta de Comodoro Rivadavia. No ano 2000, é fundada PQB de Venezuela,C.A., sociedade dedicada à venda de produtos químicos para o tratamento de petróleo, gás e água.
  • Brasil: Em 1998, a Bolland celebra um contrato para a perfuração de poços com a Petrobras do Brasil e, paralelamente, é constituída a Bolland do Brasil S.A., em princípio, orientada a esse mesmo negócio, e hoje dedicada à venda de bombas e produtos químicos.

Em 1998, a Bolland registra a marca PQB® para seus produtos químicos.

Bolland no Século XXI

Desde 2000 até o presente, a Bolland focaliza seus negócios na Argentina e na região, atingindo a liderança do mercado no serviço de produtos químicos para produção de petróleo, gás e água;  na fabricação de bombas mecânicas de fundo; no serviço de medições físicas; na operação e construção de plantas de tratamento de água para recuperação secundária; e na representação das principais firmas estrangeiras no país.

Atualmente, a Bolland conta com mais de 1000 funcionários distribuídos em suas bases e filiais na Argentina, Brasil e Bolívia; além de exportar seus produtos e serviços a mais de 10 países.

 

Decorreram mais de 75 anos de contínuas mudanças e desafios, apostando no crescimento e no desenvolvimento dos países onde estamos presentes, respeitando a mesma filosofia que nos trouxe até aqui:

 

Sempre um passo à frente.